Processos de bioconversão aplicados à obtenção de fármacos e intermediários

FERRARA, Maria Antonieta; SIANI, Antonio Carlos; BON, Elba Pinto da Silva;

Resumo:

No curso da história da civilização, o homem descobriu que os micro-organismos poderiam ser seus aliados na transformação e adaptação de substratos orgânicos às suas necessidades cotidianas. Assim, mesmo antes de ter qualquer noção da existência deles, o homem já os usava para a produção de alimento e bebidas. Pode-se afirmar o mesmo para as enzimas, que,
paralelamente, tiveram aplicações similares com base empírica, como bem exemplifica o uso do suco gástrico de bezerros na manufatura de queijos, um procedimento cuja origem é indeterminada no tempo. Esse processo de modificar certos compostos por reações simples e bem definidas quimicamente, catalisadas por micro-organismos ou por enzimas isoladas é, nos dias
de hoje, denominado “biotransformação” ou “bioconversão”.

Assim, a bioconversão subentende os processos que utilizam enzimas isoladas, micro-organismos ou células de plantas para converter uma molécula precursora, em geral um xenobiótico, em um produto de alto valor agregado. A diferença essencial entre fermentação e biotransformação é que a fermentação ocorre a partir de fontes de nutrientes e de energia e envolve inúmeras etapas catalíticas entre o substrato e o produto gerado, enquanto há apenas um ou poucos passos reacionais em uma biotransformação.

0:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/9788521211150-04

Como citar:

FERRARA, Maria Antonieta; SIANI, Antonio Carlos; BON, Elba Pinto da Silva; "Processos de bioconversão aplicados à obtenção de fármacos e intermediários", p. 137-172 . In: Biotecnologia Aplicada à Agro&Indústria - Vol. 4. São Paulo: Blucher, 2017.
ISBN: 9788521211150, DOI 10.5151/9788521211150-04