Políticas patrimoniais e projetos nacionalistas: línguas e brasilidade em tela

SEVERO, Cristine Gorski;

Resumo:

As políticas de preservação dos bens culturais no Brasil desempenham um papel político na construção de um imaginário de nação e de nacionalismo, no embalo de outras políticas que buscam demarcar simbolicamente os limites do Estado Nacional (TRAJANO, 2012). Embora tais políticas visem um fortalecimento desse simbolismo nacional, elas também respondem às demandas das políticas internacionais de patrimonialização vinculadas à UNESCO. Tendo em vista essa dupla face – externa e interna – das políticas de patrimonialização, o presente capítulo pretende discutir o papel desempenhado pelas línguas nas práticas de patrimonialização a partir de uma perspectiva historiográfica e política. A discussão se enquadra na área de políticas linguísticas e dialoga com as iniciativas estatais contemporâneas de reconhecimento da diversidade linguística brasileira. Busca-se neste texto problematizar o interesse recente do Estado, a partir dos anos 2000, pela preservação da diversidade linguística à luz de um projeto governamental que, em grande medida, opera de forma verticalizada (top-down), estabelecendo, muitas vezes, diálogos frágeis ou quase inexistentes com as comunidades linguísticas envolvidas. O texto discute o conceito de língua das políticas de patrimonialização e as contradições que tais conceitos enfrentam ao lidar com as práticas linguísticas reais e concretas. Além disso, indaga-se a respeito do papel desempenhado pelos saberes especializados – a Linguística – na produção de políticas estatais.
O capítulo se estrutura da seguinte maneira: inicialmente discute-se o conceito de patrimonialização a partir de instâncias nacionais, com enfoque na criação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN (Ministério da Cultura), pontuando o papel da patrimonialização na construção de um discurso nacional; em seguida, apresenta-se um panorama das iniciativas políticas patrimoniais, explícitas e implícitas, em torno da língua, em diálogo com as esferas internacionais; por fim, problematiza-se o conceito de língua dessas políticas patrimoniais em face das ideias de política e de cultura que veiculam.

0:

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/9788580391466-09

Referências bibliográficas
  • ABREU, R. A emergência do patrimônio genético e a nova configuração do campo do patrimônio. In: ABREU, R.; CHAGAS, M. (Orgs.). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. 2. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009. p. 25-33.
    BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato (1919-1921). Tradução inédita, sem revisão, destinada a uso didático, de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza, do texto da edição americana Toward a philosophy of the act. Austin: University of Texas Press, 1993.
    BORGES, C. Patrimônio e memória social: a formação da política de preservação de bens históricos no Brasil e a construção do imaginário coletivo. Locus: Revista de História, Juiz de Fora, v. 5, n. 2, p. 1-13, 1999.
    BRASIL. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Guia de pesquisa e documentação para o INLD: patrimônio cultural e diversidade linguística. Brasília, DF, 2014.
    BRUBAKER, R. Ethnicity without groups. Archives of European Sociology, Cambridge, n. XLIII, v. 2, p. 163-189, 2002.
    CASTILHO, A. Rumos da dialetologia portuguesa. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, v. 18/19, p. 115-153, 1972.
    DIAS, J. B. Registros fonográficos da música cabo-verdiana: mercadoria e Patrimônio. In: SANSONE, L. (Org.). Memórias da África: patrimônios, museus e políticas das identidades. Salvador: Aba Publicações, 2012. p. 41-66.
    EDWARDS, J. Back from the brink: The revival of endangered languages. In: HELLINGER, M.; PAUWELS, A. Handbook of language and coomunication: diversity and change. New York: Mouton de Gruyter, 2007. p. 241-270.
    ______. Language and identity: an introduction. New York: Cambridge University Press, 2009.
    FAUSTO, B. História concisa do Brasil. São Paulo: Edusp, 2002.
    FOUCAULT, M. Verdade e Poder. In: ______. Microfísica do poder. 14. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999. p. 1-14.
    GUEDES, T. O lado doutor e o gavião de penacho: Movimento Modernista e Patrimônio Cultural no Brasil. Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. São Paulo: AnnaBlume, 2001.
    IPHAN – INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Guia de Pesquisa e Documentação para o INDL, v. 1. Brasília, DF, IPHAN, 2014.
    ______. Guia de Pesquisa e Documentação para o INDL, v. 2. Brasília, DF, IPHAN, 2014.
    LABOV, W. Sociolinguistic patterns. Philadelphia: Philadelphia University Press, 1972.
    MAHER, T. M. Sendo índio em português. In: SIGNORINI, I. (Org.). Língua(gem) e Identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado. Campinas: Mercado das Letras, 1998, p. 115-138.
    ______. Políticas linguísticas e políticas de identidade: currículo e representações de professores indígenas na Amazônia Ocidental brasileira. Currículo sem Fronteiras, [s.l,], v. 10, n. 1, p. 33-48, 2010.
    MAKONI, S. Language and human rights discourses in Africa: lessons from the African experience. Journal of Multicultural Discourses, v. 07, n. 01, p. 1-20, 2012.
    PINTO, E. P. O Português do Brasil: textos críticos e teóricos. Fontes para a teoria e a história. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1981.
    VELLOSO, M. P. Os intelectuais e a política cultural do Estado Novo. Rio de Janeiro: Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, 1987.
    SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e pensamento racial no Brasil: 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.
    SEVERO, C. G. A diversidade linguística como questão de governo. Calidoscópio, v. 1, p. 107-115, 2013.
    STEIGLEDER, A. M. Critérios de valoração econômica dos danos a bens culturais materiais. Revista Magister de Direito Ambiental e Urbanístico, v. 27, 2010, p. 56-82.
    TRAJANO, W. Patrimonialização dos artefatos culturais e redução dos sentidos. In: SANSONE, L. (Org.). Memórias da África: patrimônios, museus e políticas das identidades. Salvador: Aba Publicações, 2012, p. 11-40.
    UNESCO. Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural, 1972.
    ______, Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial, 2003.
    WALSH, C. Interculturalidade e (des)colonialidade: perspectivas críticas e políticas. Anais do XII Congresso ARIC, Florianópolis, 2009.
Como citar:

SEVERO, Cristine Gorski; "Políticas patrimoniais e projetos nacionalistas: línguas e brasilidade em tela", p. 189-204 . In: FREITAG, Raquel Meister Ko.; SEVERO, Cristine Gorski; GÖRSKI, Edair Maria. (org). Sociolinguística e Política Linguística: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2016.
ISBN: 9788580391466, DOI 10.5151/9788580391466-09