Avaliação e variação linguística: estereótipos, marcadores e indicadores em uma comunidade escolar

FREITAG, Raquel Meister Ko.; SANTANA, Cristiane Conceição de ; ANDRADE, Thais Regina Conceição de; SOUSA, Valéria Santos;

Resumo:

O falante está em constante processo de avaliação da língua, seja de forma consciente ou não. No processo da variação, embora tenham o mesmo valor de verdade ou representacional, às formas linguísticas diferentes podem ser atribuídas avaliações ou valorações sociais igualmente diferentes, o que se dá por conta das pressões sociais que operam constantemente sobre a língua, “não de algum ponto remoto no passado, mas como uma força social imanente agindo no presente vivo” (LABOV, 2008, p. 21).
Quanto à avaliação social, Labov (2008) trata de três categorias: os estereótipos, que são os traços linguísticos socialmente marcados de forma consciente pelos falantes; os marcadores, que são os traços linguísticos sociais e estilísticos e que permitem efeitos consistentes sobre o julgamento consciente ou inconsciente do ouvinte sobre o falante; e os indicadores, que são os traços socialmente estratificados, no entanto, não são sujeitos à variação estilística.

0:

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/9788580391466-07

Referências bibliográficas
  • ABAURRE-GNERRE, M. B. M. Processos fonológicos segmentais como índices de padrões prosódicos diversos nos estilos formal e casual do português do Brasil. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, v.2; p. 23-44, 1981.
    ALVES, E. M. S. O Atheneu Sergipense: traços de uma história. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Sergipe, Aracaju, n. 34, p. 133-152, 2005.
    ARAUJO, A. S. Você me faria um favor?: o futuro do pretérito e a expressão de polidez. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.
    ARAUJO, A; SANTOS, K. C.; FREITAG, R. M. K. Redes sociais, variação linguística e polidez: procedimentos de coleta de dados. In: FREITAG, R. M. K. (Org.). Metodologia de coleta e manipulação de dados em sociolinguística, São Paulo: Blucher, 2014. p. 99-116.
    BATTISTI, E. Elevação das vogais médias pretônicas em sílaba inicial de vocábulo na fala gaúcha. Dissertação (Mestrado em Letras: Língua Portuguesa) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1993.
    BISOL, L. Harmonia vocálica: uma regra variável. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1981.
    BROWN, P.; LEVINSON, S. Politeness: some universals in language usage. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.
    CAMPOS, E. A. O uso dos pronomes nós e a gente no gênero entrevista da mídia televisiva: uma análise do português culto falado em Belém. In: Anais do I SIMELP, São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008.
    CARDOSO, S. A. As Vogais médias pretônicas no Brasil: uma visão diatópica. In: AGUILERA, V. de A. (Org.). Português do Brasil: estudos fonéticos e fonológicos. Londrina: EdUEL, 1999. p. 93-108.
    FREITAG, R. M. K. Banco de dados falares sergipanos. Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 156-164, 2013.
    ______. Socio-stylistic aspects of linguistic variation: schooling and monitoring effects. Acta Scientiarum. Language and Culture, Maringá, v. 37, n. 2, p. 127-136, 2015.
    FREITAG, R. M. K.; MARTINS, M. A.; TAVARES, M. A. Bancos de dados sociolinguísticos do português brasileiro e os estudos de terceira onda: potencialidades e limitações. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, v. 56, p. 917-944, 2012.
    HOLMES, J. Complimenting: A positive politeness strategy. In: COATES, J. (Ed.). Language and gender: a reader. Oxford: Blackwell, 1998. p. 100-120.
    LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Marta Scherre e Caroline Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
    LOPES, C. R. S. Nós e a gente no português falado culto do Brasil. Revista DELTA, São Paulo, v. 2, n. 14, p. 405-422, 1998.
    MENDONÇA, A. K. Nós e a gente na cidade de Vitória: análise da fala capixaba. Revista percursos linguísticos, Vitória, v. 2, n. 4, p. 1-18, 2012.
    SANKOFF, D.; TAGLIAMONTE, S.; SMITH, E. Goldvarb X: A variable rule application for Macintosh and Windows. Department of Linguistics of University of Toronto. Ottawa: Department of Mathematics of University of Ottawa, 2005.
    SANTOS, K. C. Estratégias de polidez e a variação de nós vs. a gente na fala de discentes da Universidade Federal de Sergipe. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2014.
    SILVA, I. De quem nós/a gente está (mos) falando afinal?: uma investigação sincrônica da variação entre nós e a gente como estratégias de designação referencial. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.
    TAGLIAMONTE, S. A. Analysing sociolinguistic variation. Cambridge University Press, 2006.
    ZILLES, A. M. S. The development of a new pronoun: the linguistic and social embedding of a gente in Brazilian Portuguese”. Language Variation and Change, Cambridge, v. 1, n. 17, p. 19-53, 2005.
Como citar:

FREITAG, Raquel Meister Ko.; SANTANA, Cristiane Conceição de ; ANDRADE, Thais Regina Conceição de; SOUSA, Valéria Santos; "Avaliação e variação linguística: estereótipos, marcadores e indicadores em uma comunidade escolar", p. 139-160 . In: FREITAG, Raquel Meister Ko.; SEVERO, Cristine Gorski; GÖRSKI, Edair Maria. (org). Sociolinguística e Política Linguística: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2016.
ISBN: 9788580391466, DOI 10.5151/9788580391466-07