ISBN: 978-85-8039-086-5

Páginas: 156

DOI: DOI 10.5151/BlucherOA-MCMDS

Metodologia de Coleta e Manipulação de Dados em Sociolinguística

Raquel Meister Ko. Freitag (Organizadora)


Pré-Textuais

Capítulos

O Workshop Metodologia de Coleta e Manipulação de Dados em Sociolinguística, realizado nos dias 16, 17 e 18 de fevereiro de 2014, na Universidade Federal de Sergipe, com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES, Programa de Apoio a Eventos no País – PAEP, e da Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe – FAPITEC, Programa de Auxílio ao Pesquisador para a Realização de Reunião ou Evento – PRAEV, reuniu pesquisadores e estudantes da área de Sociolinguística com o objetivo de fomentar a discussão, compartilhamento e cooperação para o desenvolvimento de protocolos de pesquisa para padronizar os procedimentos de organização de bancos de dados sociolinguísticos.

Resultante do Worskhop é esta coletânea de textos, dividida em quatro partes. A primeira parte contempla aspectos pré-coleta de dados: a adequação aos preceitos éticos de pesquisa envolvendo seres humanos e a escolha de equipamentos para a gravação da coleta de dados. A segunda parte é dedicada ao compartilhamento de experiências de coletas de dados aos moldes clássicos da Sociolinguística. A terceira parte contempla coletas de dados que considerem aspectos da terceira onda de estudos da Sociolinguística, considerando redes sociais e comunidades de práticas. A quarta e última parte trata de ferramentas computacionais para o armazenamento e manipulação de dados linguísticos.


Sobre a organizadora

Professora do Departamento de Letras Vernáculas, do Programa de Pós-Graduação em Letras e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe. Graduada em Letras, mestre e doutora em Linguística pela Universidade Federal de Santa Catarina, área de concentração Sociolinguística. Interesse pela investigação de fenômenos de variação e mudança linguística com ênfase nos aspectos socioestilísticos envolvidos, da emergência à regularização de seu uso, preferencialmente na interface funcionalismo/sociolinguística, em comunidades de práticas marcadas por relações de gênero. Foco em questões metodológicas relacionadas à coleta e constituição de amostras sociolinguísticas (gênese da entrevista sociolinguística; comunidades de fala e comunidades de práticas; modelagem e dimensionamento de amostras) e na dimensão estilística da variação. Avaliação de políticas públicas de avaliação em larga escala, com foco na aplicação dos resultados sociolinguísticos nos programas de ensino de língua materna (Provinha Brasil, Prova Brasil, ENEM).