Metodologia de coleta de dados em escolas da rede pública e privada de ensino de Florianópolis

MONGUILHOTT, Isabel de Oliveira e Silva; SILVANO, Gabriella Ligocki Pedro; CHAGAS, Juliana Flores; FERMINIO, Patrícia Corrêa; TRAESEL, Rafael;

Resumo:

Os bancos de dados linguísticos, constituídos no Brasil desde a década de 1970, sob a perspectiva da Sociolinguística Varicionista, vêm possibilitando descrições cada vez mais completas do português do Brasil. Com o intuito de investigar a língua nesta mesma perspectiva, especificamente em comunidades escolares, apresentamos dois protocolos de coleta de dados nesse espaço.
As propostas a serem apresentadas ancoram-se nos pressupostos da Teoria da Variação e Mudança Linguística, delineada por Weinreich, Labov e Herzog (2006) e Labov (2008). A primeira proposta tem como principal objetivo coletar material para investigar a variação na concordância verbal de primeira pessoa do plural (nós/a gente) e seus condicionadores: variáveis linguísticas e extralinguísticas (SILVANO, 2015). Dentre as variáveis extralinguísticas investigadas, estão as categorias macrossociais tradicionalmente consideradas pela sociolinguística variacionista (gênero, idade, escolaridade), e categorias mais específicas, como o contexto socioeconômico e cultural dos alunos e a formação e as condições de trabalho dos professores dos diferentes contextos escolares da cidade de Florianópolis/SC a serem analisados.
Já a segunda proposta (TRAESEL, 2015) diferencia-se da primeira, pois associa aos pressupostos da Sociolinguística Variacionista a proposta de Eckert (2012) das três ondas, com a investigação de comunidades de prática na esfera escolar.

0:

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/9788580391466-06

Referências bibliográficas
  • ECKERT, P. Three waves of variation study: the emergence of meaning in the study of sociolinguistic variation. Annual Review of Anthropology, Palo Alto, v. 41, p. 87-100, 2012.
    FLORIANÓPOLIS. Secretaria Municipal de Educação. Proposta Curricular de Rede Municipal de Ensino de Florianópolis. Florianópolis, 2008.
    FREITAG, R. M. K. Banco de dados falares sergipanos. Working Papers em Linguística, Florianópolis, v. 14, n. 2, p.156-164, 2013.
    FREITAG, R. M. K; MARTINS, M. A.; TAVARES, M. A. Bancos de dados sociolinguísticos do português brasileiro e os estudos de terceira onda: potencialidades e limitações. Alfa: Revista de Linguística, São Paulo, v. 56, p. 917-944, 2012.
    LABOV, W. Padrões sociolinguísticos Tradução de Marcos Bagno, Marta Scherre e Caroline Cardoso. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
    SILVANO, G. L. P. A concordância verbal de primeira pessoa do plural em textos escritos por alunos do Ensino Fundamental da Rede Pública de Florianópolis. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015 (em andamento).
    SPESSATTO, M. B. Variação linguística e ensino: por uma educação linguística democrática. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.
    TRAESEL, R. As formas variáveis do paradigma tu/você na Ilha de Santa Catarina: estudo de uma comunidade de prática escolar nos Ingleses. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015 (em andamento).
    WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
Como citar:

MONGUILHOTT, Isabel de Oliveira e Silva; SILVANO, Gabriella Ligocki Pedro; CHAGAS, Juliana Flores; FERMINIO, Patrícia Corrêa; TRAESEL, Rafael; "Metodologia de coleta de dados em escolas da rede pública e privada de ensino de Florianópolis", p. 113-138 . In: FREITAG, Raquel Meister Ko.; SEVERO, Cristine Gorski; GÖRSKI, Edair Maria. (org). Sociolinguística e Política Linguística: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2016.
ISBN: 9788580391466, DOI 10.5151/9788580391466-06