Ambiguidade estrutural e variação na concordância número-pessoa em clivadas canônicas no português brasileiro

MARTINS, Marco Antonio; MATOS, Francisco Iokleyton de Araujo;

Resumo:

Este capítulo tem uma motivação teórica e outra empírica. A motivação teórica se volta à defesa de estudos com interface entre a sociolinguística variacionista – ou a teoria da variação e mudança, que toma por objeto de estudo o fenômeno da variação linguística observada sob as lentes da noção de regra variável – e a teoria da gramática, que toma por objeto de estudo a competência do falante que sabe/fala uma língua natural. A motivação empírica deriva do contraste observado entre a possibilidade de concordância entre cópula e o SN clivado em sentenças clivadas canônicas no português brasileiro, atestada no par em (1), e a não possibilidade de variação em clivadas invertidas, como mostra o par em (2):
(1a) Foi os meninos que chegaram.
(1b) Foram os meninos que chegaram.
2a) Os meninos foi que chegaram.
(2b) *Os meninos foram que chegaram.
Na literatura sobre esse fenômeno no português brasileiro (PB), existe um consenso de que a concordância número-pessoa entre cópula “ser” e o constituinte clivado é variável nas clivadas canônicas, mas não em clivadas invertidas, como mostram Guesser e Quarezemin (2013), sob uma perspectiva formal, e Braga e Barbosa (2009), sob uma abordagem funcional. Diante desse panorama de variação e, mais especificamente, de restrição de variação descrito na literatura no que se refere às sentenças clivadas no PB, discutimos neste capítulo, como a variação observada entre estruturas com e sem concordância nas clivadas canônicas – mas não nas clivadas invertidas – pode ser explorada no âmbito da teoria gerativa em interface com a sociolinguística laboviana, sob o escopo da noção de regra variável. Não apresentaremos aqui uma análise quantitativa dessas sentenças no PB, mas motivaremos uma discussão que tem por objetivo esclarecer como é possível explicar essa possibilidade – ou não – de variação utilizando a teoria gerativa e uma teoria da variação linguística. O estatuto teórico dessas construções no PB tomará por base o quadro formal já posto por muitos estudos (RIZZI, 1997; MIOTO; NEGRÃO, 2007; BELLETTI, 2012; GUESSER; QUAREZEMIN, 2013).

0:

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/9788580391466-03

Referências bibliográficas
  • BELLETTI, A. Revisiting the CP of clefts. In: GREWENDORF, G.; ZIMMERMANN, T. E. (Ed.). Discourse and Grammar: from sentence types to lexical categories. Berlin: Walter de Gruyter Inc, 2012. p. 91-114.
    BRAGA, M. L.; BARBOSA, E. de M. Construções clivadas no português brasileiro sob uma abordagem funcionalista. Matraga, Rio de Janeiro, v. 16, p. 173-196, 2009.
    BRAGA, M. L.; KATO, M. A.; MIOTO, C. As construções qu- no Português Brasileiro falado: relativas, clivadas e interrogativas. In: CASTILHO, A.; KATO, M. A.; NASCIMENTO, M. (Org.). Gramática do Português Culto Falado. v. III. Campinas: Editora da Unicamp, 2009, p. 241-294.
    CHOMSKY, N. Aspects of the Theory of Syntax. Cambridge: MIT Press, 1965.
    ______. On Wh-Movement. In: CULICOVER, P.; WASOW, T.; AKMAJIAN, A. (Ed.). Formal syntax. Nova York: Academic Press, 1977. p. 71-132.
    ______. Novos Horizontes no estudo da linguagem e da mente. Tradução de Marco Antônio Sant’Anna. São Paulo: Editora Unesp, 2005.
    ______. A ciência da linguagem: conversas com James McGilvray. Tradução de Gabriel de Ávila Othero, Luisandro Mendes Souza, Sérgio de Moura Menuzzi. São Paulo: Editora Unesp, 2014.
    COELHO, I. L. et al. Para conhecer sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2015.
    FREITAG, R. M. KO. Problemas teórico-metodológicos para o estudo da variação linguística nos níveis gramaticais mais altos. Matraga, Rio de Janeiro, v. 16, p. 115-132, 2009.
    GUESSER, S. L.; QUAREZEMIN, S. Focalização, cartografia e sentenças clivadas do Português Brasileiro. Linguística, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 13, 2013.
    KAYNE, R. S. The antisymmetry of syntax. Cambridge: The MIT Press, 1994.
    KENEDY, E. Estruturas sintáticas de orações relativas. In: BISPO, E. B.; OLIVEIRA, M. R. (Org.). Orações relativas do português brasileiro: diferentes perspectivas. Niterói: EDUFF, 2014. p. 11-46.
    LABOV, W. Where does the linguistic variable stop? A response to Beatriz Lavandera. Sociolinguistic Working Paper, n. 44, p. 43-88, 1978.
    LAVANDERA, B. Where does the linguistic variable stop? Language Society, Cambridge, n. 7, p. 171-182, 1978.
    LIGHTFOOT, D. How to set parameters: arguments from language change. Cambridge: MIT Press, 1991.
    MARTINS, M. A. Gramática ou gramáticas do Português Brasileiro? O problema da implementação na mudança sintática. Línguas e Instrumentos Linguísticos, Campinas, v. 32, p. 9-27, 2013.
    MARTINS, M. A.; COELHO, I. L.; CAVALCANTE, S. R. de O. Variação sintática e Teoria Gerativa. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto: 2015. p. 221-247.
    MIOTO, C.; NEGRÃO E. As sentenças clivadas não contêm uma relativa. In: CASTILHO, A. T. et al. (Org.). Descrição, história e aquisição do português brasileiro. São Paulo; Campinas: FAPESP; Pontes, 2007. p. 159-186.
    RIZZI, L. The fine structure of the left periphery. In: HAEGEMAN, L (Ed.). Elements of Grammar. Kluwer: Dordrecht, 1997. p. 281-337.
    ______. On the position of interrogative in the left periphery of the clause. In: CINQUE, G.; SALVI, G. P. (Ed.). Current studies in Italian syntax. Essays Offeredto Lorenzo Renzi, Oxford: Elsevier North-H, 2001. p. 287-296.
    ______. Delimitation effects and the cartography of the left periphery. In: GREWENDORF, G.; ZIMMERMANN, T. E. (Ed.). Discourse and Grammar: from sentence types to lexical categories. Berlin: Walter de Gruyter Inc, 2012. p. 115-146.
    ROISENBERG, G.; MENUZZI, S. Pressuposição, exaustividade e denegação nas clivadas. In: ENCONTRO DO CELSUL. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2008. Disponível em: http://www.geocities.ws/smenuzzi/download/exaustividade_celsul_2008.pdf Acesso em: 27 mar. 2016.
    WEINER, J.; LABOV, W. Constrains on the agentless passive. Journal of Linguistics, Cambridge, v. 19, n. 1, p. 29-58, 1983.
    WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução de Marcos Bagno. São Paulo: Parábola, 2006.
Como citar:

MARTINS, Marco Antonio; MATOS, Francisco Iokleyton de Araujo; "Ambiguidade estrutural e variação na concordância número-pessoa em clivadas canônicas no português brasileiro", p. 59-78 . In: FREITAG, Raquel Meister Ko.; SEVERO, Cristine Gorski; GÖRSKI, Edair Maria. (org). Sociolinguística e Política Linguística: olhares contemporâneos. São Paulo: Blucher, 2016.
ISBN: 9788580391466, DOI 10.5151/9788580391466-03