Introdução

Oliveira, Adalberto; Rados, Gregório Jean Varvakis;

Resumo:

A indústria bancária sempre conviveu com o risco operacional. No passado, prevenia-se o risco operacional com a utilização de mecanismos simples, grande parte deles fundamentado na segregação de funções. Processo tão simples quanto descontar um cheque envolvia, na relação do banco com o cliente, pelo menos duas etapas segregadas. Primeiro um funcionário se encarregava de conferir a assinatura e o preenchimento do cheque e depois o “Caixa” se encarregava de entregar a quantia descontada. Outros exemplos que visavam maior controle, para prevenir riscos, são o rigor das contabilizações (a prática de “fechar balancetes” diariamente é anterior às facilidades advindas do avanço da informática), a sobreposição de conferências e autorizações, as auditorias internas regulares, a preocupação em manter rigoroso sistema de instruções codificadas e até mesmo o cuidadoso procedimento para a seleção de funcionários. Não há registros, entretanto, de nenhuma maneira sistematizada de avaliar os custos de todo aquele aparato de controles.

0:

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/9788580391527-01

Como citar:

Oliveira, Adalberto; Rados, Gregório Jean Varvakis; "Introdução", p. 21-30 . In: Método para avaliação de risco operacional em bancos. São Paulo: Blucher, 2017.
ISBN: 9788580391527, DOI 10.5151/9788580391527-01